quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Pequenina:

e com um mundo para explorar.
É assim.
Sente-se o vazio inundado de cores, sons e movimento. Mas está vazio.
Caminhar sobre a linha invisível que separa os mundos e sente-se o peso da imensidão.
Semanas longas e pesadas, onde as notícias não são boas.
Despir lentamente as camadas que nos seguram enquanto seres e despertar de emoções enterradas no tempo.
A dor, a separação, luta, coragem. E tudo começa novamente.
Por vezes é preciso desabar, para novamente se juntar as peças boas.

Pequenina...

2 comentários: